top of page

21 de mai. de 2024

  • Preto Ícone Twitter
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

Estante Cultural

Paulo Roberto Ferreira apresenta seu primeiro romance "A figa verde e a misteriosa mulher de branco"


Romance de Paulo Roberto Ferreira revela a ocupação da Amazônia no final do século 20 e personagens que resistiram ao autoritarismo



#Literatura

Ilustração de imagem do autor Sérgio Bastos / Imagem: divulgação

Resenha do escritor Gutemberg Guerra considera um romance fundamental para situar as gerações mais recentes sobre os “anos de chumbo” na Amazônia. O texto conta com 72 capítulos curtos, com muito impacto psicológico por conta das diversas formas descritas de autoritarismo e violência física e moral contra crianças e adultos, provocadas por autoridades institucionais.


O tempo do romance é o da ditadura militar que se estabeleceu no Brasil de 1964 a 1985 e o rescaldo da Guerrilha do Araguaia acontecida na primeira década dos anos 1970, que regem praticamente toda a vida do principal personagem, Djanilo. Uma freira rebelde é enviada para a Amazônia por castigo ao seu recalcitrante comportamento no convento em Minas Gerais.


Joana também atravessa todo o enredo em aparições efetivas ou subliminares, como um fantasma ou inspiração de momentos intuitivos na narrativa. Ela e o menino irreverente se cruzam, misteriosamente, em determinados momentos, mas cada um segue seu caminho de resistente.


Anúncio



Um operador de máquinas pesadas em regiões de desmatamento e abertura de estradas entra na trama. É mobilizado nos relatos de forma muito humana e compreensiva, como alienado, mas sensível ao que testemunha de crueldade, afastando-se discretamente das maldades que não quer compartilhar.


As notícias sobre os confrontos na área rural chegam a Belém e mobilizam outros tipos que também compõem cenários da tensão que fazem parte da intrincada trama. Em períodos curtos e objetivos, narrado em terceira pessoa, o texto hipnotiza o leitor pela empatia provocada pela intimidade que revela em cada história, sempre no plano da emoção e de uma tensão provocada pelo clima de repressão e suspense que atravessa cada trecho.


A evolução das personagens no tempo vai dando conta das contradições entre o discurso oficial grandiloquente e o nível de pobreza se que acumulam, em biografias ricas de detalhes, mas retratando o grau de exploração humana a que estão submetidos em regimes de trabalho esgotantes, insalubres e desumanos os camponeses e operários.




Já o escritor Daniel Leite, que faz a apresentação do livro, nos diz que Paulo Roberto Ferreira, ao escrever “A figa verde e a misteriosa mulher de branco”, apresenta uma narrativa “entrecortada em nós, pele aberta, sangue semovente, uma memória em potência, escreve também sobre o nosso estar no mundo, os nossos territórios, as nossas Amazônias, esse espaço social de fraturas e resistências”.


Em outro trecho Daniel Leite afirma que há passagens, que mesmo invisíveis, o livro “oferecem-nos a chance de sondar um corpo fechado ao mal. Nestes tempos subterrâneos que sempre retornam com discursos nacionalistas maquiados a pó e pólvora, casca e caos, Paulo Ferreira escreve para nos lembrar de nunca esquecer.”



Serviço:
O livro “A Figa Verde e a misteriosa mulher de branco” será lançado em Belém, no dia 29 de maio, às 19 horas, no Sesc Ver-O-Peso (Av. Boulevard Castilhos França, 522 – em frente à Estação das Docas). Haverá uma roda de conversa com a participação dos escritores Daniel Leite e Gutemberg Guerra.

Anúncio

#COLUNAS

WhatsApp Image 2024-02-14 at 21.21.23.jpeg

Franciorlis ViannZa - Escritor 

Paulo Ferreira - Escritor e Jornalista

bottom of page