Ariela Motizuki

Espetáculo “Brincádiquê” discute o direito à cidade nas periferias de Belém


#Espetaculo

Imagem: divulgação.


Entre memórias, histórias reais misturadas com a ficção, e situações que seriam cômicas se não fossem trágicas, o Grupo de Teatro Trupe Teia (@trupeteia) apresenta o espetáculo “Brincádiquê”, montagem que se cria e se apresenta pelas ruas da periferia de Belém, especificamente nos bairros do Jurunas, Guamá e Terra Firme. Através da brincadeira, da poesia, comicidade e palhaçaria, o espetáculo se mistura no cotidiano da rua a fim de provocar quebras nas rotinas de espaços tradicionais dos bairros para discutir o direito à cidade, acesso à cultura e a cidadania.



A partir das linguagens da palhaçaria, da brincadeira de rua e bebendo na fonte da cultura popular, o espetáculo se define como teatro de cortejo, linha de pesquisa e de atuação em que o grupo Trupe Teia desenvolve desde 2021. “Brincádiquê” é um espetáculo brincante para todos os públicos, mas especialmente para os que moram nas periferias e sentem diariamente o que é viver na cidade mas não acessá-la. Para Alana Lima, uma das coordenadoras e atriz do projeto, o centro da cidade é cheio de programações culturais, mas infelizmente a periferia carece de acesso à cultura. “A gente trabalha e mora na periferia e muitos dos nossos indutores de criação partem da relação com os bairros, então pra gente não faz sentido ir pro centro apresentar algo que é criado a partir da periferia e pra ela. Nós queremos, junto com tantos outros movimentos culturais e sociais periféricos, construir uma cultura de acesso ao teatro e de formação de plateia com pessoas pretas, periféricas, que muitas vezes nunca assistiram a um espetáculo”, explica Alana.






O espetáculo tem objetivo de trazer críticas sociais através das diversas histórias reais e do dia-a-dia da comunidade que serão misturadas com a ficção, comicidade e a palhaçaria, linguagem que está presente em todos os espetáculos do grupo. “A gente junta um pouco das nossas próprias histórias com o que ouvimos de amigos, vizinhos, parceiros e pessoas que nos cederam seus relatos para a pesquisa. São histórias de quem nasceu e cresceu no Guamá, Jurunas e tantas outras periferias. Há histórias com profundas críticas sociais e outras com uma relação bem sensível com o território e a cidade”, afirma a atriz e produtora Alana.



Os artistas durante o processo de criação dos personagens e das histórias foram para as ruas de Belém conversar com moradores e vivenciar os bairros. “Durante o processo de criação, a gente conversou com os moradores dos, e tudo isso foi base para a criação dos personagens que vão ser apresentados, a sempre com diálogo com a comunidade e com a rua”, enfatizou a atriz Victoria Myuke.




SERVIÇO: “Espetáculo Brincádiquê “
Dia: 14/11 - 17h30 - Passagem Limoeiro - Jurunas
Dia 15/11 - 9h - Biblioteca do Tucum - Guamá/Terra Firme
Dia 15/11 - 20h - Praça Benedito Monteiro - Guamá
Dia 19/11 - 17h - Praça Helena Dias – Jurunas
ENTRADA GRATUITA.


Texto: Ariela Motizuki (Assessoria de Imprensa)
  • Preto Ícone Twitter
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon