Jaqueline Ferreira

Boêmia da Cidade Velha é exaltada em festividade Samba de Zé


#Festividade

Imagem: divulgação.


A quantidade de eventos em homenagem à malandragem comprova que Belém vestiu mesmo a camiseta listrada de vermelho e branco. Se antes as festividades às entidades da Umbanda carioca eram restritas aos terreiros, hoje tem se tornado comum a realização de rodas de samba abertas ao público. É o caso do Samba de Zé, festividade promovida pela Tenda Ogum Beira Mar e Mamãe Oxum (@tendaogumbeiramaremamãeoxum) há mais de 10 anos, mas que em 2019 passou a ser realizada nas ruas, alcançando um grande número de simpatizantes. Neste sábado, 10/09 (16h), a edição com o tema “A Lapa é aqui!” promete reunir os devotos do “Seu Zé Pelintra”, que representa a boêmia carioca.


Assim como no Rio de Janeiro, a maioria das capitais brasileiras conserva na memória o frenesi dos bairros que hoje são considerados históricos. Na Lapa carioca, a proximidade com o centro financeiro e cultural estimulou o surgimento de botequins, cabarés e casas de espetáculos, reunindo não apenas as elites, como também artistas, gigolôs, prostitutas e os chamados “malandros”, homens socialmente marginalizados mas elegantemente vestidos, que dominavam as artimanhas das jogatinas e da capoeira. Um dos mais conhecidos foi Francisco dos Santos, o transformista “Madame Satã”, figura icônica do teatro e da noite da Lapa nas décadas de 20 e 30.






Em Belém, a atmosfera dos bairros antigos e boêmios é traço marcante da Cidade Velha. Bares de rua são ponto de encontro da “malandragem contemporânea”, que busca na noite locais que ofereçam boa música, bebidas geladas e petiscos saborosos. O Canto do Zé (Tv. de Breves, 139), boteco em homenagem ao malandro Zé Pelintra, é um deles. O local surgiu como desdobramento da tradicional festividade em homenagem à entidade da Umbanda. Com o aumento do público, a roda de samba especial “volta pra casa”, e passa a ser realizada em frente à Tenda Ogum Beira Mar e Mamãe Oxum, próximo ao Porto do Sal.



Instalado em um casarão antigo, o terreiro recria o clima da Lapa carioca no próximo dia 10 de setembro, a partir das 16h, em parceria com a Roda de Fifi (@rodadefifi) e os artistas Diogo Rosa (@vai_ter_diogo) e Tisci Santos (@ticisantos_aqui), Iara Mê (@iara_me), Flávia Anjos (@flaviaanjos), João da Hora (@joaodahora_oficial), DJ Jack Sainha (@jacksainha_dj) e muito mais. O recurso arrecadado é revertido para os trabalhos de caridade da Tenda de Umbanda, que a partir do próximo mês também inicia ações de arrecadação e distribuição de alimentos e brinquedos às comunidades do Porto do Sal.


SERVIÇO: Samba de Zé – Edição “A Lapa é aqui”
Data/Hora: Sexta-feira (10/09), a partir de 16h. Local: Tenda Ogum Beira Mar e Mamãe Oxum (Rua Gurupá, 18, entre Dr Assis e São Boaventura). Informações: instagram @sambadeze e (91) 98954-5313.

Texto: Jaqueline Ferreira (Assessoria de Comunicação)
  • Preto Ícone Twitter
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon