Estudos Instrumentais de Henry Burnett segue nas plataformas digitas

#EstudosInstrumentais


Imagem: divulgação.


“Estudos Instrumentais” está disponível desde o dia 31 de outubro nas plataformas digitais. O 1o álbum instrumental do compositor traz registros em gravações Lo-Fi de 10 Estudos para guitarra, compostos entre 2019 e 2020. Os temas foram registrados em Home Studio e receberam intervenções dos músicos Maurício Panzera, Kareca Braga, Arthur Alves, Guilherme Granato, Marcelo Gabbay, Renato Torres e Ziza Padilha, um super time!




O atual trabalho surge meio que assim, resultado do confinamento vivido durante o ápice da Pandemia, uniu esforços. Cada músico gravou seu instrumento em casa, às vezes captando a partir de celulares. Tudo para desbravar o novo, tecendo desafios que na verdade já estavam superados, mas ainda adormecidos.




“Comecei a compor pequenas peças instrumentais somente no ano passado. Não tenho formação musical, não escrevo música, todos os Estudos nasceram de modo instintivo e nem sei bem qual a fonte desses exercícios sem letra. A verdade é que mostrei alguns deles para o Arthur Alves, violoncelista paraense que mora hoje em Londrina, e foi ele que ouviu o conjunto e percebeu nele uma unidade que eu mesmo não via”, conta Henry.




O compositor acredita que, no fundo, a ideia de fazer o álbum nem é dele, mas de Arthur. "Devo a ele a sugestão de convidar outros músicos, que poderiam criar sobre os meus temas de modo livre. Se ganhei confiança para levar em frente o registro, foi graças à audição atenta do Arthur. Queria que ele improvisasse sobre todos os temas, mas ele generosamente achou que valeria a pena agregar outros músicos e timbres, ampliando a ideia”.




Feito de forma artesanal, o novo disco não significa que a palavra tenha sido deixada de lado. “Diria que não, já compus dois novos temas que foram compostos depois dos Estudos finalizados, e que estão sendo trabalhados em parceria com o Kareca Braga, guitarrista de Belém que admiro desde a adolescência, e que está trabalhando com eles, algo para mim inimaginável há um ano atrás. Ele, Arthur e todos que estão envolvidos são músicos imensos e pessoas generosas ao meu redor, só posso me sentir profundamente gratificado”, continua.




O processo todo acabou mexendo com o compositor que ano que vem completa 50 anos, sendo que 35 deles, dedicados à música. “É uma atividade diária que me movimenta com grande intensidade”, diz. Ele também acredita que os Estudos são fruto de suas audições diversas das obras de Bill Frisell, Julian Lage, Toninho Horta, Guinga e outros guitarristas mundo afora.




“Somado a isso, um entrosamento maduro com meus instrumentos. Talvez os Estudos sejam fruto desse amadurecimento, mas não é uma transição, não sou um músico propriamente. As canções estarão sempre em pano de fundo de tudo. Só me sinto mais aberto e corajoso para deixar vir à tona esses novos caminhos”, conclui.

Música e Filosofia


Além de sua dedicação à música, Henry Burnett atua como professor e já publicou livros como "Cinco Prefácios Para Cinco Livros Escritos: Uma Autobiografia Filosófica de Nietzsche" (Belo Horizonte, Tessitura Editora, 2008), "Nietzsche, Adorno e um Pouquinho de Brasil" (São Paulo, Unifesp, 2011) e "Para Ler O Nascimento da Tragédia de Nietzsche" (São Paulo, Loyola, 2012).




Nasceu em Belém, em 1971, onde viveu até os 27 anos. Morou em Campinas, Rio de Janeiro e São Paulo. O trabalho como compositor o fez desenvolver uma identidade musical que resulta dessa vivência e das informações da tradição do cancioneiro popular brasileiro. Henry faz parte de uma geração de compositores que acrescentou alguns novos elementos à tradição da música paraense, principalmente na aproximação desta com a esfera pop.



Divulgação.

Lançou o primeiro CD aos 25 anos, Linhas Urbanas (1996) e só 10 anos depois gravou o álbum, Não Para Magoar (2006), com as 12 faixas escritas de próprio punho; letra e música. O disco foi gravado em Belém em dezembro de 2005 e lançado no ano seguinte. Em 2017, o cantor e compositor lançou “Belém Incidental”, um trabalho com pegada roqueira, produzido pelo músico Fábio Cavalcante, com canções autorais e parcerias com compositores paraenses, como Renato Torres (“Reino”), Paulo Vieira (“Belém de Passagem”, “Entremãos”, “Isso é Viver”, “Oswald Canibal”) e Edson Coelho (“Trem do Samba”). A cantora Sammliz dividiu com ele os vocais de “Isso é Viver”. No dia 12 de outubro, deste 2020, lançou também “Canções da Infância inteira”, com sua filha Júlia, de seis anos, nos vocais junto com ele.




E em 2021, Henry vai lançar dois novos livros, "Espelho musical do mundo", pela editora PHI, resultado da sua tese de livre-docência defendida na Unifesp, onde ele leciona no curso de filosofia" e "Música só", reunião de ensaios e artigos esparsos sobre música que vai ser lançado pelo selo Caliban, da UnB".



Para ouvir Henry Burnett e seus Estudos Instrumentais:

https://tratore.ffm.to/estudoshenryburnett

https://www.youtube.com/user/mundiandomusic


Texto: Luciana Medeiros (Holofote Virtual)

102 visualizações