Resistências afro e cultural são homenageadas no novo clipe d'O Mercado do Choro

#ResistênciasAfroeCultural

#dOMercadoDoChoro


OMC - Imagem: Marcelo Lelis.


Uma homenagem às resistências afro e cultural é o norte do novo videoclipe do grupo paraense O Mercado do Choro. Com melodia de raiz africana, a canção "Aparelho" integra o álbum "Passeio Público", que revisita lugares de Belém. O registro audiovisual, gravado no Porto do Sal, é lançado nesta segunda-feira (28), no canal do grupo no YOUTUBE.




"Aparelho" é um projeto de ocupação artística e educação que atua dentro de um mercado, colaborando na formação dos moradores da comunidade do Porto do Sal, no Centro Histórico de Belém. Há ainda a promoção de intercâmbios cultural e social. Para homenagear esse projeto que acolheu as rodas de chorinho, Carla Cabral, Diego Santos e Tiago Amaral compuseram a canção homônima.



Ela começou a ser feita ainda no final de 2019, quando Carla chegou do terreiro. Tiago teve contato com a canção na pré-produção do disco e foi nos ensaios para gravação das bases que Diego a conheceu. Inclusive, foi uma das últimas músicas apresentadas e, que quase fica fora do álbum “Passeio Público”.





A canção traz uma estética sonora que passeia pelo Marabaixo, manifestação amazônica, dançada na sola dos pés por pretos e pretas do Amapá, em que eles não podiam levantar os pés, pois estavam presos por grilhões. "As possibilidades dessa música revelam um ar mais misterioso, remetendo às noites de rodas de marabaixo que pude vivenciar. Por isso é, em sua origem, melancólico. Somar resistências tem tudo a ver com o nosso trabalho", explica Carla.




As cenas do videoclipe também foram gravadas no Porto do Sal. O Mercado do Choro se fortaleceu ali como roda e sempre foi bem recebido por quem vive e trabalha nos arredores daquele espaço. Essa convivência começou em 2014, com as ocupações na oficina Santa Terezinha, depois o Aparelho, que são movimentos que foram idealizados pela professora Dra da Universidade Federal do Pará (UFPA) e artista visual Elaine Arruda.




"Eu acho a comunidade do Porto do Sal muito respeitosa com o movimento artístico que se apresentou ali, subitamente. Tive a oportunidade também de trabalhar como produtora nessas cinesias artísticas e o que posso dizer é que todos sempre nos receberam super bem e aprendemos diariamente com eles. Por toda essa troca, precisávamos tê-los nesse clipe, principalmente as crianças e alguns dos parceiros que viram isso tudo nascer", relata a cavaquinista.



OMC - Imagem: Marcelo Lelis.


Participações - O percussionista Kleber Benigno e o violonista Armando Mendonça também participam do “Aparelho”. "Ele [Kléber] é uma autoridade em percussão. Faz anos que a gente troca e aprende com ele. Então, falar em marabaixo é também falar nele. E que bom que ele é nosso parceiro das antigas e pode contribuir pra essa música ganhar, de fato, a identidade do marabaixo", diz Tiago Amaral.




Não é de hoje a admiração do grupo pelo violonista Armando Mendonça. Tê-lo nesse trabalho é uma forma de aproximar e fortalecer a paixão que todos têm pela cultura do Norte e do Nordeste do Brasil.



O Mercado do Choro - O Mercado do Choro surgiu em 2013, reunindo músicos dedicados à pesquisa e criação do gênero musical Choro. O grupo passou a se encontrar mensalmente em praças e mercados, ressignificando o passeio público; valorizando o patrimônio histórico; convidando as pessoas para as rodas de choro, mas principalmente convidando-as a reconhecer a cidade.



OMC - Imagem: Marcelo Lelis.


Formado por Carla Cabral, no cavaco; Diego Santos (violão sete cordas); Gabriel Ventura (pandeiro) e Tiago Amaral (clarinete), o Mercado do Choro já realizou turnê pela Europa, em 2018, como convidado do renomado Festival Internacional de Choro de Paris, estendendo-se também as cidades de Amsterdam na Holanda e Lyon na França. No mesmo ano participou também como convidado do XXXI Festival Internacional de Música do Pará, um dos maiores festivais da região. Em 2019, o grupo foi atração da Virada Cultural de São Paulo (SP).




Para assistir - Realizado pelo Banco da Amazônia, o videoclipe está disponível desde segunda-feira (28/12). Para assistir o videoclipe, basta acessar o canal do grupo no YouTube: http://bit.ly/OMCaparelho



Texto: Una Conteúdo (Comunicação e Cultura)

102 visualizações