Produção cultural em meio à quarentena do Novo Coronavírus

#Prevenção


Imagem: divulgação.

Desde o início do mês de março, o Covid-19 começou a ter grandes repercussões no território brasileiro. Com isso, todos os Estados passaram a tomar medidas preventivas pra evitar a propagação do vírus entre a população. No Pará, não foi diferente. O governador anunciou ações preventivas contra o novo coronavírus. Algumas dessas ações afetaram diretamente a área cultural paraense.



De acordo com o decreto Estadual, eventos públicos e provados não essenciais estão proibidos. Com isso, estabelecimentos comerciais noturnos, como casas de shows, bares e restaurantes não podem funcionar até segunda ordem. Consequentemente, diversos espetáculos, mostras, oficinas, entre outros tiveram de ser adiados ou cancelados. E vários artistas paraenses e profissionais culturais foram afetados, tendo que procurar outros meios de se manter em atividade.




Uma dessas pessoas é a produtora artística e cultural, Adriana Camarão (@adrianacamaraooficial) que disse ter a sua rotina de trabalho muito afetada pelas medidas impostas pelas autoridades. Shows e lançamentos de singles adiados, as reuniões físicas passaram a ser virtuais, etc. “Eu tive que me readequar a trabalhar home office, considerando que tinha uma rotina bem agitada. Atualmente, estou focando em dar andamento aos planejamentos com os artistas que trabalho, manter networking (mesmo que virtual) e aproveitando o momento para aperfeiçoamento na minha área com cursos on-line”, informou a produtora.




Para Adriana, esse momento atual está sendo muito delicado economicamente ara o país, no entanto, algumas ações já estão sendo feitas pelo setor público. “Todos os setores estão sofrendo com esta pandemia, mas um grande passo já foi dado em relação à proposta aprovada pela câmara sobre o auxilio emergencial para trabalhadores informais e MEI’s. É uma renda que irá contribuir por um período e pode amenizar a condição de muitas pessoas, incluindo artistas, que necessitam nesse momento”.


Neste período de quarentena, o cantor paraense ANCK contou o que tem feito para se manter na ativa. Segundo o artista, ele está dando seguimento ao planejamento de sua carreira, atualizando as redes sociais para manter a conexão com o público, e trabalhando na gravação do seu primeiro single autoral. “Importante dizer que estamos tomando todas as precauções possíveis em estúdio. Tais como: lavar as mãos, passar álcool em gel e não temos contato físico. Logo logo sairemos dessa pandemia e em breve espero poder lançar este trabalho que está ficando incrível”, ressaltou o músico.




“Sinto falta dos shows, da correria e das noites agitadas da cidade. Falta desse contato com o público que fica ansioso com as novidades”, disse ANCK sobre o distanciamento com o público causado pela quarentena. Para acompanhar as novidades siga o ANCK no Instagram @anckoficial.



Sobre essa fase delicada, a secretária de Cultura do Estado (@secultpara) Úrsula Vidal, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que vem organizando a sua equipe para potencializar o atendimento e realizar programações remotas. “Uma das ações já realizadas foi o adiantamento do cronograma do Edital Preamar de Cultura e Arte, que já tinha sido lançado antes do Governo anunciar as medidas para conter o avanço do coronavírus, diminuindo para 20 dias o período de inscrição. Com isso, garantimos que a liberação dos recursos para os projetos selecionados aconteça ainda no mês de abril. Inicialmente, a previsão de liberação desses recursos era junho”, informou Úrsula Vidal.



Ursula Vidal / Arquivo pessoal - Imagem: divulgação.

A secretária disse também que estão prestando assessoria aos artistas, com profissionais que desenvolvem e elaboram projetos culturais para dar mais celeridade a esse processo. Estas ações estão sendo organizadas por regiões de integração para auxiliar os componentes dos projetos destas localidades.




Outra ação desenvolvida pela Secult é o “Festival Te Aquieta em Casa”, que está dentro do edital de credenciamento, aberto desde o ano passado, no site da Secretaria de Estado de Cultura. De acordo com as informações ele é uma maneira de fazer os recursos circularem também com a seleção de conteúdos digitais. Então, o artista não precisa sair de sua residência para produzir o seu material e a secretaria disponibiliza também esses conteúdos artísticos e culturais para as pessoas que estão em casa mantendo o isolamento.




“Essa é uma crise que tem uma dinâmica nova a cada 24 horas. Nós estamos utilizando os instrumentos legais por meio dos editais já abertos, que garantam transparência e agilidade na liberação dos recursos, para que não tenhamos um colapso dessa economia da cultura e da arte que paralisou com a crise do coronavírus. A partir dos resultados que nós formos alcançando, vamos ver como essa curva epidemiológica se comporta para que nós potencializemos as ações”, finaliza a secretária de Cultura do Estado, Úrsula Vidal.



Texto: Marcos Paulo (Estante Cultural)








94 visualizações