top of page

Muralismo: FCP recebe intervenção artística com 30 metros de altura

#Evento

Imagem: Wellyngton Coelho / Divulgação.

Obra coletiva chama atenção de quem passa pelo prédio da Fundação Cultural do Pará, na Gentil Bittencourt. É a 1ª vez que o local passa por uma transformação como essa. Curiosos param e admiram a pintura, que carrega o propósito do evento realizado de 22 a 27/03 com entrada franca.




A pintura, que já chama atenção da população antes mesmo de ser concluída, é assinada por 4 artistas paraenses (Carla Cris Duncan, Michelle Cunha, Dedeh Farias e Santo) e faz parte de um trabalho que envolve 16 nomes regionais das artes visuais: customizando a fachada vertical e as laterais do prédio, a área pintada nessa intervenção atingirá cerca de 1500m2. Para Almir Trindade, um dos realizadores do evento através da Galeria Azimute, “a repercussão que pode vir da transformação e otimização de um espaço público como o prédio da FCP está em total harmonia com a mensagem principal da Semana de Arte e Muralismo: intervenções artísticas podem ser um excelente caminho para solucionar questões sociais de onde vivemos”, observa.




INFRAESTRUTURA INÉDITA - Uma grande obra de arte coletiva precisa de uma grande estrutura. A fachada da FCP está sendo colorida com uma estrutura de peso composta por cerca de 210 andaimes, 600 unidades de piso antiderrapante, 200 fachadeiros e vários outros equipamentos técnicos. Tudo isso para auxiliar os 4 artistas paraenses que estão cobrindo os 30m de altura do prédio com o apoio de outros artistas regionais (que atuam como ajudantes dos autores da pintura vertical).





ARTISTAS NAS ALTURAS - Para quem vê da rua, a pintura imponente no paredão de 30 metros impressiona. Mas e para quem está lá em cima pintando? Santo, um dos artistas visuais envolvidos na obra, conta um pouco sobre o sentimento de fazer parte desse grande trabalho coletivo. “A experiência está sendo muito doida. Nunca tinha feito uma pintura acima de 5 metros de altura, então pode crer que subir 30 metros é uma coisa bem inédita para mim. É um prazer estar participando disso junto com tantos outros artistas de qualidade, uma iniciativa que não estava muito perto da minha vivência e que a gente só via acontecendo em outras cidades ou estados. E agora temos isso acontecendo em Belém! Estou muito feliz”, disse o artista.




MURALISMO E O PROPÓSITO DA SAM - Para a curadora Jade Jares, a curiosidade em

torno da intervenção artística ainda não finalizada mostra que o objetivo da obra já começa a ser cumprido antes mesmo da sua conclusão. “Esse impacto na maneira que as pessoas enxergam e convivem com esse ponto da cidade e suas redondezas faz com que as pessoas se relacionem de outra forma com a região. A Semana de Arte e Muralismo já cumpre o seu propósito desde antes de começar”, comenta. Jade ainda destaca outro elemento importante do momento da pintura. “Em paralelo à percepção de quem passa na rua e percebe a estrutura e as artes em andamento, também acontece uma interação dos artistas com as pessoas que visitam a FCP durante o processo. Existe uma troca que nasce daí e isso também ajuda a enraizar a aproximação entre todos os envolvidos”, observa.




O propósito da SAM é mostrar o poder das intervenções artísticas como ferramenta de transformação do espaço público e terá programação aberta ao público, além de uma exposição coletiva na Galeria Benedito Nunes que reúne outros 11 artistas regionais que usam outras técnicas de artes visuais.





SERVIÇO: SEMANA DE ARTE E MURALISMO

Data: de 22 a 27 de março / Local: Fundação Cultural do Estado do Pará (Av. Gentil

Bittencourt, 650). Entrada franca. Mais informações em: (@semanadearteemuralismo)


Texto: Leandro Moreira

Fonte: Ascom FCP (@fundacaopara)



Palavras-Chave

bottom of page