Henry Burnett lança álbum “Canções da Infância Inteira”

#CançõesDaInfânciaInteira


Imagem: divulgação.


“Canções da Infância Inteira” é o primeiro registro em duo do compositor Henry Burnett com sua filha Julia Burnett, de 6 anos, a partir de poemas do Livro de Imaginacéu, do poeta Paulo Vieira, ressaltando um parceria que já é antiga, tendo rendido o Retruque/Retoque, disco duplo belíssimo, que também une a composição musical de um e textual do outro. Desta vez, porém, a obra tem foco no público infantil, ao todo são 10 canções.




"Canções da Infância Inteira" foi gravado inteiramente em Home Studio, com participações especiais de João Burnett e Pablo Vieira. Henry Burnett tocou todos os instrumentos do disco sobre programações, efeitos e mini-synths criados por Renato Torres (Guamundo Home Studio), a partir dos timbres da Roland CR78.




“O Renato fez todas as bases pra todas as musicas, Eu toquei todos os instrumentos de cordas - violões, guitarra, contrabaixo - e no caso, nós gravamos tudo aqui em casa mesmo. Eu encaminhava pro Renato, ele mixava, foi um trabalho de mais ou menos dois meses, até chegarmos na versão final, mixada e masterizada”, diz Henry, professor, músico e compositor paraense que mora em São Paulo.




Além das oito musicas com letras de poemas do livro, Henry incluiu mais duas composições suas, feitas para seus filhos. “Do livro eu musiquei 08 poemas, mas quando o João (meu filho) nasceu, eu compus uma canção pra ele e quando a Julia nasceu e entrou na música, mas era coisa de casa, chamei de 'Palharina'. É a música que abre o disco e todas as crianças participam, o Pablo, João e a Julia. Fiz outra música engraçada sobre alimentação (Saladinha da Juju). Foram essas canções que geraram a concepção do disco”, segue Henry.



Imagem: divulgação.


Julia já demonstrava interesse pela música desde muito nova e logo começou falar e a cantar. “Ela é muito exibida, muito apresentada e, diferente do Pai, é bem afinada. Tem essa coisa da desafinação da voz ainda em formação, mas ela é incrivelmente afinada pra idade dela”, diz o pai.




A ideia inicial inscrever em edital projeto para lançar um vídeo musical com animações pra crianças, mas o engajamento da Julia foi tão grande que todos os planos foram refeitos. A ideia era fazer vídeo de animações e isso não está descartado. O primeiro passo foi dado com o lançamento da produção musical.




“Julia é o estopim do disco, essa que é a realidade, porque ela me ouvia cantando e começou a decorar todas as letras, e quando eu ia tocar ela começou a dar umas canjas comigo, e ela cantava justamente essas músicas, e a coisa foi crescendo, ao ponto que eu disse ‘bom, agora vamos fazer nosso disco’”, continua.




Nos 04 meses de isolamento social, durante os momentos mais intensos da pandemia, a casa de Henry e Julia se tornou um laboratório musical. “Foi um dos nossos escapes mesmo. A gente teve como aliviar a pressão sobre eles que é tão grande, até maior do que sobre nós, né?”, reflete o músico.




Já o processo de gravação, que até para adultos é tenso. “Studio é uma coisa super tensa, foi um parto pesado com ela, que nunca tinha feito isso, de gravar, de colocar o fone, ouvir o playback e ter que gravar em cima. Algumas músicas não são tão simples, não são fáceis, são complicadas e tem essas harmonias que eu trabalho que não são muito simples, então foi um parto”, conta Henry.



Para ouvir:

http://bit.ly/Album_Henry_Julia


Texto: Luciana Medeiros (HOLOFOTE VIRTUAL)

85 visualizações