Galeria Theodoro Braga expõe “Beneditas” de Karina Martins

Atualizado: 12 de Nov de 2019



FOLDER - Imagem: divulgação.

Desde a última quarta-feira (09/10), estão em exposição na Galeria Theodoro Braga, 25 fotografias que narram a participação da mulher na Marujada. Se trata da exposição “Beneditas” da fotografa Karina Martins, que foi premiada no edital do “Prêmio Branco de Melo – Apoio a produção artística” da Fundação Cultural do Pará (FCP). ENTRADA GRATUITA.




Elas dirigem e organizam a festa. Há sim os Marujos, mas a Marujada é formada em sua maioria, por mulheres. Elas comandam as danças, em ritmo do retumbão, mazurca e do bom xote bragantino. “Quando comecei a fotografar, em 2014, a festividade de São Benedito e a Marujada de Bragança pude observar o poder que a liderança feminina exerce tanto na festividade quanto na Marujada”, diz a fotografa Karina Martins.




A liderança nas danças, nas apresentações, nas procissões, nos ensinamentos é conduzida por uma mulher denominada “Capitoa”, a quem marujas e marujos devem obediência, respeito e lealdade. Karina observa que a Marujada é um matriarcado, onde somente mulheres podem exercer tal liderança, e que existe uma segunda liderança feminina na hierarquia, a Subcapitoa.




“Homens tem a função de tocadores de instrumentos musicais, acompanhantes nas danças e carregadores do andor de São Benedito. E tamanha autoridade é exercida por senhoras simples, de origem humilde, conhecedoras e guardiãs dos saberes de uma das manifestações cultural e religiosa mais importante do estado”, continua. Saia vermelha, bem rodada. A blusa é de cambraia branca bordada, trazendo uma faixa larga de fita vermelha de gorgorão e uma rosa do mesmo material. O chapéu chama atenção. É de palha, forrado de tecido branco, e coberto por flores feitas de penas de pato. Das abas pendem fitas largas, de cores diversas e compridas. A mulher mais velha do grupo é quem está à frente de tudo e se destaca na vestimenta, pelo bastão dourado que ela carrega, um símbolo de autoridade.



FOLDER - Imagem: divulgação.


Para a fotógrafa em uma época onde as mulheres são vítimas de todas as formas de violência e silenciamento possíveis praticados por uma sociedade machista, Beneditas é uma homenagem às mulheres bragantinas fortes na fé inabalável em São Benedito, mulheres humildes e cheias de sabedoria, mulheres batalhadoras, mulheres que plantam e pescam, mulheres que comandam seus lares, mulheres resistentes por natureza, mulheres representadas em meu trabalho pelas marujas da Marujada, as quais dedico a exposição”, finaliza.




Vale conferir a exposição e para quem estiver querendo conhecer mais de perto a manifestação, a festa vai de 25 de dezembro ao dia 6 de janeiro, do ano novo. O ápice da Marajuda ocorre em dezembro, no dia 25, com as mulheres usando saias azuis e os homens com camisas da mesma cor. Já no dia 26, quando São Benedito é festejado, as mulheres usam as saias vermelhas, e os homens, a roupa branca.



Serviço: Exposição "Beneditas", de Karina Martins Prêmio Branco de Melo

Galeria Theodoro Braga

(subsolo da Fundação Cultural do Pará, Av. Gentil Bittencourt, 650)

Visitação: de 9 de outubro a 01 de novembro de 2019 de segunda a sexta, das 9h às

19h. ENTRADA GRATUITA.


Texto: Luciana Medeiros – Holofote Virtual (91) 98134-7719

24 visualizações