Festival de Cinema: V FICCA seleciona quatro filmes paraenses

#FestivalDeCinema


Mestre Cupijó e seu ritmo - Imagem: divulgação.


Saiu o resultado da seleção de filmes que estarão no V FICCA – Festival Internacional de Cinema do Caeté. Entre os filmes classificados, vindos também do Senegal, Colômbia, Cabo Verde , Chile e Portugal, estão vários filmes brasileiros. Do Pará, entraram na mostra os filmes “O Céu Sobre Nós”, de Everaldo Carvalho Gomes; “Mestre Cupijó e seu ritmo”, de Jorane Castro; “Dorso”, da Inovador Talvez Filmes e “Minguante”, de Maurício Moraes.




Ao todo foram 387 filmes inscritos, sendo que 120 passaram no crivo da primeira seleção do FICCA. O anuncio foi feito dia 10 de outubro. A V edição do evento, que acontece pela segunda vez simultaneamente no Brasil e em Portugal, será nos dias 8, 9 e 10 de dezembro, com apoio da Escola Superior Artística do Porto.




As obras agora serão avaliadas pela Comissão de Juris Oficial, composta por 19 pessoas, subdivididas nas categorias de Longas, Médias e Curtas. Em função da pandemia do COVID-19, os vencedores revelados até o dia 30 de novembro. Apenas os filmes premiados exibidos em espaços culturais do Brasil e de Portugal.



Este ano o FICCA diplomará os realizadores dos filmes concorrentes das mostras competitivas com o Grande Prêmio Padre Bruno Sechi de Longa Metragem; Grande Prêmio Cláudio Cardoso de Média Metragem; Grande Prêmio Egídio Sales Filho de Curta Metragem; e Grande Prêmio Arthur Leandro de Documentário.



O Céu Sobre Nós - Imagem: divulgação.


Sobre o Festival


O FICCA - Festival Internacional de Cinema do Caeté tem origem na cidade de Bragança, com idealização do realizador e professor Francisco Weyl. Desde 2018, o evento vem sendo realizado em parceria com a ESAP – Escola de Artes Visuais do Porto, em Portugal. O evento dialoga com projetos autorais, poéticos, e musicais, articulados a uma pratica de consciência estética, e de resistência, ecológica, política, urbana, e rural, e que carecem de espaço para ecoar mensagens.




Invertendo a lógica do mercado, se materializa de forma coletiva, via redes solidárias - de compartilhamento de conhecimentos e práticas que envolvem e reconhecem as comunidades locais. É a partir da troca de olhares e experiências, que criadores de diversas linguagens se reúnem a fim de levar essa produção também à periferia, escolas, comunidades quilombolas, espaços culturais, religiosos e acadêmicos.



Mais informações e a lista completa dos filmes selecionados na 5a edição:

http://bit.ly/V_FICCA


Texto: Luciana Medeiros (Holofote Virtual – Comunicação)

71 visualizações