Festival Amazônia Negra chega a Belém neste domingo

Atualizado: 2 de Ago de 2019


Oficinas realizadas em Soure - Imagem: Priscila Duque

Os saberes tradicionais da cultura afro amazônica são o tema do Festival Amazônia Negra, que acontece neste domingo, 04 de agosto, no Quilombo da Praça da República em Belém. O evento, realizado pelo Terreiro de Umbanda Casa de Mãe Herondina, com patrocínio do Banco da Amazônia, reúne mulheres negras da Amazônia insular e continental, transitando entre a ilha do Marajó, o município de Moju e as periferias de Belém, com intuito de combater o racismo e a intolerância religiosa e valorizar a cultura e a identidade negra da região. No ultimo dia 20 de julho, o festival foi promovido na comunidade do Pacoval em Soure, e agora Belém é a próxima parada.




“O Festival foi pensado para as mulheres negras, especialmente as de terreiro e de comunidades tradicionais, que trazem consigo a ancestralidade, a herança cultural de seus povos originários, e isso é explícito na diversidade amazônica, desde as ilhas, passando pelas comunidades de beira de estrada até chegar à população da capital”, afirma Jucilene Carvalho, sacerdotisa de Umbanda da Casa de Mãe Herondina e coordenadora do evento.


Oficinas realizadas em Soure - Imagem: Priscila Duque

Em Soure, duas oficinas foram ministradas na Associação dos Moradores do Bairro do Pacoval. Em Estética Afro, as mulheres compartilharam experiências sobre o reconhecimento de sua beleza negra e a valorização da vida ancestral, a partir das diversas formas de amarrações de turbante, entendido entre os povos de matrizes africanas como a representação da coroa de uma rainha, possibilitando a essas mulheres outras visões sobre autoestima e suas origens. Já em Percussão e Ritmos Afro, o ijexá e outros ritmos da cultura negra serão a ponte para a discussão sobre resistência e memória ancestral desses corpos.



Grupo de Carimbó Cobra Venosa é uma das atrações do Festival - Foto: divulgação.

Em Belém, serão realizados shows de grupos percussivos protagonizados por

mulheres ou formado exclusivamente por elas, será montada a Feira Preta com stands de empreendedoras negras e negros e o Circo Ambiental com oficinas infantis de circo aproveitando materiais reciclados e apresentações com a garotada.






Com isso, o Festival Amazônia Negra pretende viabilizar o reconhecimento de grupos, mestras, artistas e empreendedoras afro amazônicas, além de proporcionar a geração de emprego e renda às mulheres de comunidades tradicionais e o estímulo à consciência negra em todas as faixas etárias. Assim, é possível entender a força ancestral dos povos tracionais de matrizes africanas, representados no evento pelo pelos povos de terreiro, que, organizados, movimentam a cultura e dão possibilidades de resistência e continuação à vida das comunidades negras, desde a culinária às formas de religiosidade.



Foto: divulgação


O evento conta, ainda, com o apoio do Centro de Estudos e Defesa do Negro no Pará – CEDENPA, da Associação dos Moradores do Pacoval (AMPAC/Soure), da Universidade Federal do Pará (Campus Soure) e do Programa Coroatá de Incubação Cultural e Economia Solidária, que realiza desde 2017 a assessoria em gestão, comunicação e produção cultural para a Casa de Mãe Herondina, contribuindo para o fortalecimento das ações culturais e de economia solidária realizadas no terreiro. “Cada ação que conseguimos realizar representa uma vitória da resistência cotidiana contra o racismo institucional” comemora Luciane Bessa, produtora cultural e coordenadora do Programa Coroatá/UFPA.



Serviço:

Dia 04/agosto – Quilombo da Praça da República (Belém)


9h - Gira de Abertura

9h30 - Abertura da Feira Preta

Contação de Histórias de Quilombo, com Waldirene Assunção

10h - Oficina e Apresentação de Circo Ambiental

Live de Graffiti, com Cely Feliz

12h - Resultados das oficinas de Percussão, Estética Afro e Circo Ambiental

13h - Tambores da Onça, com participação dasTucandeirasArtinhosas (Quilombo do

Jambuaçu/Moju)

14h - Carimbó Cobra Venenosa, com participação dos Tambores do Pacoval

(Soure/Marajó)

15h - Grupo Afro Axé Dudu, com participação de Mana Josy

16h - Tambores de Mulheres (roda de batuque)

Ainda haverá tabuleiro com venda de acarajé durante a programação.


Contatos:

Raphíssima (091) 98198-9932

Jucilene Carvalho (091) 98242-7370


Texto: Raphíssima Soueu

67 visualizações