top of page

‘Cada Objeto Uma Canção’: álbum de estreia de Inesita mescla rock e carimbó

Imagem: Tereza Maciel / Divulgação.

Chegou ao público no mês passado (24/11), o álbum de estreia da artista paraense Inesita, intitulado “Cada Objeto Uma Canção”. Com seis faixas inéditas e uma já lançada em setembro deste ano, a cantora e musicista apresenta seu estilo único, que mescla rock, carimbó e outros ritmos regionais - mistura esta, que já pôde ser conferida em “Céu no Olhar”, parceria com a icônica Nazaré Pereira, que abriu a nova fase da carreira de Inesita.




A artista já dá a dica conceitual do álbum através do próprio título, “Cada Objeto Uma Canção”. Isso porque, as sete canções são representadas por sete objetos aleatórios que, juntos, formam a capa do disco: um ventilador, uma lua, uma ampulheta, um sapato, um pedaço de madeira, um globo e um livro de poesia. “Gosto das representações subjetivas da arte e do quanto isso instiga e conecta o público ao meu trabalho. Embora eu tenha em mente qual objeto corresponde a cada música, não vou dar isso ‘mastigadinho’ (risos). Vou deixar que cada ouvinte faça sua assimilação e venha me contar”, diz.





“Cada Objeto Uma Canção” marca uma nova era, mais leve, na carreira de Inesita. Ela lembra que, à época de “Vertical”, seu single instrumental lançado com videoclipe em 2020, ainda se encontrava muito pressionada pela necessidade de produzir, decorrente dos tempos pandêmicos e de isolamento social. “Esse álbum representa a Inês recarregada de ‘Vertical’, época em que eu me via para baixo, triste, sem ver ninguém, dadas as necessárias medidas sanitárias para conter a covid-19. Eis que agora, porém, apresento uma Inesita ressurgida das cinzas, com muita esperança de que dias melhores virão”, completa.




O tom mais otimista já pôde ser conferido em “Céu no Olhar”, parceria lançada em setembro deste ano com ninguém menos que Nazaré Pereira, cantora acreana de mais de 40 anos de carreira, dona do sucesso junino “Xapuri do Amazonas”. A canção fala “essencialmente sobre amor”, como definido por Inesita à época do lançamento. Com boa repercussão local, Inesita chegou a se apresentar no projeto “AmpliSessions”, onde apresentou três músicas inéditas do álbum.





“Quando a gente está apaixonada, qualquer lugar com o nosso amor é bom, dar um passeio, ver a lua... Tudo vira poesia. E é disso que se trata a música, é essencialmente sobre amor. Um trecho especial ‘Céu no olhar tem Carolina’, que eu escrevi pensando na minha namorada, é o que me conecta à Nazaré, que também cita o nome ‘Carolina’ no seu sucesso ‘Chero de Carolina”, conta a artista paraense, que compôs a música e traz a importância política de levantar a bandeira do amor LGBTQIA+ para suas letras.




Sobre a artista - Inesita iniciou carreira solo em 2017 com o lançamento do EP “Normal de Pedra”. A turnê local de divulgação do trabalho chegou a um dos maiores festivais de música do Norte do País, o Se Rasgum. Após a bem-sucedida estreia, elax lançou o EP “Cinza”, em 2018, e a canção instrumental e videoclipe “Vertical”, de 2020. Além disso, ela ainda colaborou com outros artistas como Sammliz, Liége, Elder Effe, Reiner e Antônio de Oliveira.





Serviço: Ouça o Álbum "Cada Objeto, Uma Canção" de Inesita no link AQUI.

Instagram: @inesita_inesita.



Texto: Fernando Assunção (91) 98353-1375 (Assessoria de Imprensa)




Palavras-Chaves



bottom of page