6º Festival de cinema FICCA chega em versão online ampliando horizontes

#FICCA

#FestivalDeCinema


Praianos - Divulgação.



Por um cinema crítico e democrático, que fortaleça os processos identitários e de luta dos povos tradicionais e de grupos oprimidos. Esse é o chamado que ecoa lá do município de Bragança, no Pará, para o mundo, por meio do FICCA - Festival Internacional de Cinema do Caeté, que este ano será realizado entre 25 de março e 5 de abril.




A 6ª edição do FICCA ganha tom de celebração com a mostra Oitava Maravilha, que exibirá gratuitamente 12 filmes que foram premiados ao longo da trajetória do festival. Rodas de conversa e homenagens em formato de lives, além de oficinas cinematográficas na comunidade Quilombo do América, em Bragança, também integram as atividades. Tudo pelo canal do Youtube. A programação também pode ser acompanhada por meio das comunicações diárias feitas pelas redes sociais @ficcacinema, e pelo site ficca.net.br.




Com oito anos de existência, o FICCA realizou cinco edições anteriores, sendo duas delas diretamente de Portugal, conexão que rendeu ao festival um certificado internacional da Escola Superior Artística do Porto. Trata-se de um evento de cinema com agenda contínua de atividades que ocupa escolas, universidades e espaços comunitários do Estado do Pará.



Mostra Oitava Maravilha: uma retrospectiva do FICCA


Os números gerais revelam a amplitude do festival. Somam-se centenas de obras inscritas ao longo destes anos. Até aqui, já foram selecionados 33 filmes estrangeiros, e 310 brasileiros, dos quais 63 são de origem amazônica - sendo 54 paraenses. A partir deste acervo, o poeta bragantino Francisco Weyl, idealizador do FICCA, organizou a mostra Oitava Maravilha para esta edição.



RIO CAETÉ BRAGANÇA - Divulgação.


“Entre os filmes vencedores de edições passadas, trazemos agora um recorte democrático, compondo uma mostra expressiva, com longas, médias e curtas de diversos estados brasileiros e outros países, como Cabo Verde e Portugal. A mostra traz questões feministas e relacionadas aos Direitos Humanos, perspectivas do movimento trans e da negritude. Assumimos o melhor do nosso caráter cineclubista, dando espaço de divulgação para obras que estão alheias ao grande circuito e que abordam os debates de base do nosso festival”, explica Weyl.



Homenagens, rodas de conversa e oficina


Nomes de peso das artes e do cinema comumente recebem homenagens do FICCA e este ano não será diferente. Os holofotes da vez vão para os cineastas Sério Fernandes (Portugal) e Chico Carneiro, de Castanhal. A atriz paraense Rosilene Cordeiro, que atualmente trabalha no lançamento de seu primeiro filme como diretora, também entra na roda dos prestigiados.




“Homenagearemos essas três figuras por suas contribuições para o cinema. Sério Fernandes é um mestre da Escola do Porto, realizou dezenas de filmes e possui uma estética muito própria. O Chico Carneiro é um documentarista paraense incrível, cujo trabalho é referência. Já a Rosilene Cordeiro, parceira querida do FICCA que traz ao festival a força da performance, tem se voltado cada vez mais para o audiovisual”, comenta Weyl.



FRANCISCO WEYL - Divulgação.


Cada homenagem se dará a partir de um ciclo de lives com debate e apresentação de trabalhos dos homenageados. A homenagem a Chico Carneiro contará, por exemplo, com a exibição do filme “Quem é Vanda”, filmado em Belém. O FICCA também promove as rodas de conversa “O Cinema das Amazonas”, com mulheres do audiovisual, como a cineasta Célia Maracajá e a atriz Nani Tavares; e “A década internacional de afrodescendentes”, com a participação de Celso Prudente, organizador do Festival Internacional do Cinema Negro, de São Paulo. Na live de encerramento do festival haverá também o lançamento do livro KYNEMA, de Francisco Weyl.




Diretamente do Quilombo do América, comunidade de resistência negra localizada em Bragança, o FICCA realiza um ciclo de oficinas artísticas, seguindo todos os protocolos de segurança sanitária. “O Quilombo do América é parceiro do FICCA desde o princípio. Instrumentalizar os movimentos sociais faz parte da nossa missão. A ideia é firmar cada vez mais essa relação e também contribuir para a criação e manutenção de um cineclube da própria comunidade”, conta Weyl.



Serviço

6º FICCA - Festival Internacional de Cinema do Caeté – Projeto selecionado pelo

edital Audiovisual – Lei Aldir Blanc-Pa. Programação de 25 de março a 5 de

abril de 2021, pelo canal de Youtube. Mais informações: www.ficca.net.br e

redes sociais @ficcacinema.


Texto e Informações: Luciana Medeiros (91) 98134-7719 (Holofote Virtual)

107 visualizações